publicidade
publicidade
 
 
 
 
publicidade
 
 
l12 imagens
 
 
publicidade
17.Nov.2014 | 09:42
 
Carro de devedor pode ser retomado em até três meses
 

(Foto: L12 Notícias).
 

Estadão

Entrou em vigor ontem a nova regra para retomada de veículos inadimplentes, que vai facilitar a recuperação de bens com atraso nas parcelas de financiamento. A nova lei desburocratiza o processo, que hoje pode levar mais de um ano. Com isso, a expectativa é que o prazo caia para cerca de três meses e os bancos deixem de ser tão seletivos na hora de liberar o crédito e até mesmo reduzam os juros.


Essa é a expectativa das montadoras, para quem a restrição do crédito tem importante contribuição na queda das vendas - de 9% no ano ante igual período de 2013. Metade das vendas de veículos é financiada.

"Essa lei é um instrumento fundamental para o setor automotivo ao premiar o cliente adimplente, possibilitando o fortalecimento do setor financeiro na concessão de crédito com a redução do custo e maior segurança jurídica", diz Luiz Moan, presidente da Anfavea, associação que representa as montadoras.

Atualmente, além do prazo longo, recuperar um carro em inadimplência custa, de acordo com o bem e com a complexidade do processo de apreensão, entre R$ 4 mil e R$ 14 mil, segundo as financeiras. O cálculo inclui custos com advogados, quitação de multas e impostos não pagos e gastos com leiloeiro.

Entre as normas aprovadas estão a eliminação de etapas no processo judicial e possibilidade de alienação online dos bens do devedor (leia quadro).

O setor automotivo conta com essa medida para melhorar o desempenho nesta reta final do ano e tentar chegar em dezembro com uma queda acumulada de 5% a 6%, ainda assim a maior desde 2002. A principal expectativa, contudo, é que a nova regra ajude o setor a reagir mais rapidamente em 2015.

"A partir de agora, os bancos deverão aumentar o apetite por riscos novamente e devem baixar o nível de restrições atuais", diz Flavio Meneghetti, presidente da Fenabrave, que representa as concessionárias de veículos. "Nossa expectativa é que os bancos aumentem em até 20% o volume de aprovação dos contratos."

De acordo com Meneghetti, isso poderá representar um aumento de cerca de 30 mil veículos financiados ao mês. Será, diz ele, um forte estímulo às vendas neste fim de ano e, principalmente, em 2015, "ano que se projeta como sendo possivelmente de bastante volatilidade".

Segundo as montadoras, hoje entre 40% e 50% das fichas com pedido de crédito são recusadas pelos bancos. A Federação Brasileira de Bancos (Febraban) diz que as alterações no Decreto-lei 911/69 representam avanço, pois desburocratizam o sistema de cobrança judicial, reduzem custos e trazem maior segurança jurídica para o financiamento de bens. A entidade informa não dispor do número de veículos retomados anualmente.

Pelo número de carros que vão a leilão todo mês é possível se ter uma ideia. Só a Sodré Santoro, maior empresa do ramo no País, leiloa de 5 mil a 6 mil veículos ao mês, dos quais 35% foram recuperados por bancos.

Cadeia. Para chegar ao leilão, o processo é demorado e exige serviços de uma indústria da retomada de carros. Além dos bancos e financeiras, essa cadeia envolve cartórios, o Poder Judiciário, escritórios de advocacia, empresas de renegociação de dívidas e até de localização, com profissionais que fazem serviços de detetives.

"Para retomar o carro é preciso intervenção judicial e, como o Judiciário está congestionado, a autorização para busca e apreensão demora a sair", diz Décio Carbonari, presidente da Anef, entidade representante dos bancos das montadoras.

O processo judicial começa após o terceiro mês de atraso. O prazo para o juiz deferir o pedido de busca e apreensão leva de 30 dias a um ano, informa Carbonari. Antes da mudança da lei, o mandado só valia para a cidade em que foi expedido.

​"De cada 100 mandados, em média 15 carros são localizados", afirma Carbonari. "Chega um momento em que fica muito caro tentar recuperar o veículo e o processo se inviabiliza." Segundo ele, de cada 100 inadimplentes, 70% fazem acordo para evitar a Justiça. Após a ação, em média 22% saldam a dívida e 8% são retomados. Ainda assim, "o processo é custoso".


 
(0) comentário(s)
 
comentários
 
 

Nenhum comentário, seja o primeiro a enviar.

 
 
Nome:
 
E-mail (não será divulgado):
 
 Mensagem:
 
 Código:
 
 
22.Set.2019 - Festival da Cachaça atrai multidão para Abaíra; Confira fotos
21.Set.2019 - II Expo Livramento: está chegando a hora!
21.Set.2019 - Curso ELITE realizará em Brumado um super aulão preparatório para o concurso da PMBA
20.Set.2019 - Lojas Americanas enfim chegando a Livramento de Nossa Senhora
20.Set.2019 - BRIGADISTAS CONTROLAM INCÊNDIO PRÓXIMO A CACHOEIRA DE LIVRAMENTO
19.Set.2019 - Focos de incêndios são registrados no sopé da Serra das Almas em Livramento
19.Set.2019 - Governo contrata instituto para realizar concurso da PM e do Corpo de Bombeiros
18.Set.2019 - Jovem sofre acidente e morre na BA-148 entre Dom Basílio e Brumado
18.Set.2019 - Bolsonaro altera Lei Maria da Penha; Agressor terá de pagar a conta do SUS
18.Set.2019 - Campanha recolhe mais de 25 mil embalagens de agrotóxicos em Livramento e Dom Basílio
 
 
comentários
 
Lojas Americanas enfim chegando a Livramento de Nossa Senhora
Luciano
Será muito bom mesmo A concorrência faz gerar bons preços... Isso é ótimo
 
Lojas Americanas enfim chegando a Livramento de Nossa Senhora
Oli
Nossa! Que maravilha! Sou de Rio de Contas e fico muito feliz em ver que a economia está crescendo de...
 
BRIGADISTAS CONTROLAM INCÊNDIO PRÓXIMO A CACHOEIRA DE LIVRAMENTO
Oli
Obrigada aos nossos heróis! Que Deus os abençoe e proteja, sempre.
 
Focos de incêndios são registrados no sopé da Serra das Almas em Livramento
Olia
Nesta época de seca todo cuidado é pouco. Vamos prestar atenção e nunca usar fogo de forma displicente....
 
 
 
publicidade
 
 
arquivos
 
 
 
 
L12 Notícias © 2010-2019. Todos os direitos reservados.
 [email protected]